LEICA E OS JUDEUS

Nenhuma descrição de foto disponível.

A Leica é a câmera pioneira de 35 mm. É um produto alemão – preciso, minimalista e totalmente eficiente. Por trás de sua aceitação mundial como ferramenta criativa estava uma empresa familiar e de orientação social que, durante a era nazista, agiu com graça, generosidade e modéstia incomuns. E. Leitz Inc., designer e fabricante do produto fotográfico mais famoso da Alemanha, salvou seus judeus. E Ernst Leitz II, o patriarca protestante de olhos de aço que chefiava a empresa de capital fechado enquanto o Holocausto se aproximava pela Europa, agiu de forma a ganhar o título de “o Schindler da indústria fotográfica”. Assim que Adolf Hitler foi nomeado chanceler da Alemanha em 1933, Ernst Leitz II começou a receber ligações frenéticas de associados judeus, pedindo sua ajuda para tirá-los e suas famílias do país. Como cristãos, Leitz e sua família eram imunes às leis de Nuremberg da Alemanha nazista, que restringiam o movimento de judeus e limitavam suas atividades profissionais. Para ajudar seus trabalhadores e colegas judeus, Leitz discretamente estabeleceu o que ficou conhecido entre os historiadores do Holocausto como “o Trem da Liberdade Leica”, um meio secreto de permitir que os judeus deixassem a Alemanha sob o disfarce de funcionários da Leitz designados para o exterior. Funcionários, varejistas, parentes e até amigos de parentes foram “designados” para os escritórios de vendas da Leitz na França, Grã-Bretanha, Hong Kong e nos Estados Unidos. As atividades de Leitz se intensificaram após a Kristallnacht de novembro de 1938, durante a qual sinagogas e lojas judaicas foram queimadas em toda a Alemanha. Em pouco tempo, os “funcionários” alemães estavam desembarcando do transatlântico Bremen em um píer de Nova York e se dirigindo ao escritório da Leitz Inc. em Manhattan, onde os executivos rapidamente encontraram para eles empregos na indústria fotográfica. Cada recém-chegado trazia em seu pescoço o símbolo da liberdade – uma nova câmera Leica. Os refugiados receberam um estipêndio até que pudessem encontrar trabalho. Dessa migração vieram designers, técnicos de reparo, vendedores, profissionais de marketing e redatores da imprensa fotográfica. Mantendo a história em segredo O “Trem da Liberdade Leica” atingiu seu auge em 1938 e no início de 1939, levando grupos de refugiados a Nova York a cada poucas semanas. Então, com a invasão da Polônia em 1º de setembro de 1939, a Alemanha fechou suas fronteiras. Naquela época, centenas de judeus ameaçados de extinção haviam escapado para a América, graças aos esforços dos Leitzes. Como Ernst Leitz II e sua equipe conseguiram se safar? Leitz, Inc. era uma marca reconhecida internacionalmente que refletia crédito no recém-ressurgido Reich. A empresa produziu câmeras, telêmetros e outros sistemas ópticos para os militares alemães. Além disso, o governo nazista precisava desesperadamente de moeda forte do exterior, e o maior mercado único de Leitz para produtos ópticos eram os Estados Unidos. Mesmo assim, membros da família Leitz e da empresa sofreram por suas boas obras. Um alto executivo, Alfred Turk, foi preso por trabalhar para ajudar judeus e libertado somente após o pagamento de um grande suborno. A filha de Leitz, Elsie Kuhn-Leitz, foi presa pela Gestapo depois de ser pega na fronteira, ajudando mulheres judias a cruzar para a Suíça. Ela acabou sendo libertada, mas suportou um tratamento duro durante o interrogatório. Ela também foi suspeita ao tentar melhorar as condições de vida de 700 a 800 trabalhadores escravos ucranianos, todos mulheres, que haviam sido designados para trabalhar na fábrica durante os anos 1940. (Após a guerra, Kuhn-Leitz recebeu inúmeras homenagens por seus esforços humanitários, entre eles o Officier d’honneur des Palms Academic da França em 1965 e a Medalha Aristide Briand da Academia Europeia nos anos 1970). Por que ninguém contou essa história até agora? De acordo com o falecido Norman Lipton, escritor e editor freelance, a família Leitz não queria publicidade para seus esforços heróicos. Somente depois que o último membro da família Leitz morreu, o “Trem da Liberdade Leica” finalmente veio à luz. Agora é o assunto de um livro, “The Greatest Invention of the Leitz Família: The Leica Freedom Train “, de Frank Dabba Smith, um rabino nascido na Califórnia que atualmente mora na Inglaterra. Obrigado por ler o texto acima e se você se sentir inclinado, como eu, a repassá-lo a outras pessoas, faça-o. Leva apenas alguns minutos. As memórias dos justos devem viver.Guisheft News via Carrie Kaufman

The following two tabs change content below.
Sou Aprendiz de Liberdade e busco ser melhor pai, melhor marido, melhor amigo, melhor profissional e te desafio a buscar a melhor versão de si mesmo todos os dias. Amante da musica e sempre em busca de conhecimento que agregue valor. Practitioner em PNL, Empreendedor Digital, Palestrante e Psicoterapeuta.

Latest posts by Natã Campos (see all)

Comente com Seu Facebook

Sobre Natã Campos

Sou Aprendiz de Liberdade e busco ser melhor pai, melhor marido, melhor amigo, melhor profissional e te desafio a buscar a melhor versão de si mesmo todos os dias. Amante da musica e sempre em busca de conhecimento que agregue valor. Practitioner em PNL, Empreendedor Digital, Palestrante e Psicoterapeuta.
%d blogueiros gostam disto: